Fazer o que se gosta

Já faz algum tempo que acompanho alguns blogs muito interessantes e hoje decidi publicar os links de alguns no meu blog, foi quando me deparei com um texto da Joseana Pereira, uma das autoras do site Salada Corporativa. Recomendo a leitura e o exercício de responder as questões levantadas. Tomei porém a iniciativa de falar um pouco mais do assunto.

Entre os muitos bate-papos, que tenho com amigas e primas, ultimamente a maioria deles gira em torno da escolha de carreira. Em especial uma das minhas primas me chama atenção. Após finalizar o 2o grau, ela se vê diante do período de ingresso na universidade em que surge o dilema sobre o que cursar. Ela tem duas opções que lhe agradam História ou Psicologia, mas fica imaginando os atuais problemas de uma professora e na psicologia quando clinicará, pois o custo para montar um consultório é alto.

Como todo processo decisório, esse não é menos complexo, porém o mais importante nesse momento é abrir sua mente a analisar cuidadosamente todos os ângulos das opções de carreira. Lancei várias perguntas a ela: Como ela se vê daqui a 5 anos? Se ela conseguiria se imaginar em outra atividade? Que marca ela quer deixar? E por ai vai.

Quando li o texto citado acima, tudo me pareceu muito semelhante ao que falávamos. Não tem sido fácil para ela decidir e ainda buscar seu espaço no mercado de trabalho, com o diploma de professora recém-obtido.  Suas frustrações e desilusões diante dos resultados das entrevistas e propostas de emprego, desgastam seus dias, apagam seus sonhos e a decisão do que fazer se torna mais difícil. 

Milhares de jovens em todo o Brasil estão nesse momento diante dos mesmos sentimentos, um país de mercado emergente e cheio de perspectivas econômicas, mas que não instrui seus jovens para essa fase de transição. Eu me coloco diante de várias reflexões nesse momento, e um deles é o de como ajudar esses jovens a descobrirem o que fazer. Sei que não são apenas os jovens que se veem diante desse dilema, alguns profissionais experientes hoje também estão diante da decisão de mudar de carreira.

Faço o que gosto ou o que dá dinheiro? Eis a questão que não sai da mente de muitas pessoas nesse momento. Eu sou uma das privilegiadas em fazer o que gosto e por isso me sinto realizada, mesmo que o dinheiro não seja tanto. Há profissionais que ganham em um mês o que levo décadas para receber. Mas se sentir realizado com o que se faz é um ponto chave para ser feliz e produzir mais.

Nesse artigo quero deixar três simples passos, antes da escolha:
1- Busque se conhecer, identifique o centro da sua vida, o que te rege. Pessoas em equilíbrio cujo centro é focado em princípios, nunca se decepcionam e possuem uma sabedoria e senso de orientação incrível.

2- Converse com algum profissional daquela área e ouça atentamente suas experiências. Tome a iniciativa de fazer testes de aptidão, estude o ramo de negócio, suas nuances e oportunidades, os problemas específicos da área, tente ver soluções para os problemas e como você os trataria.

3- Por fim escreva de forma clara como você quer ser reconhecido como profissional. Encare a realidade dos fatos e projete-se no futuro, escolhendo de forma positiva e proativa como tratar sua vida e carreira.

Deixe seu comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s