Eleição – Predestinação ou Livre Arbítrio (by RVLopes)

Salvação
1. Salvar ou ser salvo de algum perigo o corpo ou a vida (travessia do Mar Vermelho)
2. A salvação da condenação eterna por causa do pecado. O estado (salvo) que se encontra o homem, através do perdão e a segurança por Jesus Cristo. Esta salvação é para o tempo presente e para o futuro, e acha-se em conexão com a fé no Salvador.

Eleição Divina
O ato de escolha mediante no qual Deus seleciona um indivíduo ou grupo dentre uma companhia maior, para um propósito ou destino de sua própria determinação.

Graça de Deus
O favor imerecido da parte de Deus para com todos os pecadores indistintamente.

Persistência de Deus
É o aspecto da onisciência relacionada como fato de Deus conhecer os eventos e possibilidades futuras, No que diz a respeito da salvação, a presciência de Deus não afeta as decisões do homem, mas o seu livre arbítrio. As ações de um homem não são permitidos ou impedidos simplesmente porque são previstas ou conhecidas de antemão por Deus.

Predestinação
É o plano geral de Deus para a salvação da humanidade.

Livre Arbítrio
São as decisões que o homem toma, por ser um agente livre, para aceitar ou rejeitar o dom de Deus. Todos os homens têm igual oportunidade de buscar, ouvir o evangelho, se arrependerem de seus pecados e serem salvos.

Determinismo
É a crença que Deus predeterminou de antemão os salvos e os perdidos, independentemente da escolha humana. (Heresia e Gnosticismo)

As interpretações sobre predestinação e eleição

1. Predestinação Incondicional (Calvinismo)
Doutrina da eleição desenvolvida por João Calvino, que deduziu das Escrituras que é Deus quem elege o homem, o qual não é capaz de iniciar um relacionamento com Deus por ser totalmente deprevada. Portanto, é Deus e somente Ele escolhe quemvai para o Céu e quem não vai, ou seja, é Deus quem predestina o destino do homem. Somos eleitos por Deus, independente de nosso interesse por Ele. O mundo em Jo 3:16, é visto como o mundo dos eleitos. Pessoas que seguem esta linha de pensamneto são geralmente chamados de calvinistas.

Os cinco fundamentos básicos do Clavinismo:
Depravação Total – significa que o homem não tem nada de bom nele (Sl 143; Rm 3:12). O homem não é capaz de aproximar-se de Deus porque é cheio de iniqüidade.

Eleição Incondicional – Significa que o homem é eleito independente de sua condição moral ou espiritual. Ele pode ser o pior (ou melhor) homem do mundo e ser eleito.

Remissão restrita – significa que Jesus não morreu por todos, mas somente pelos eleitos.

Graça irresistível – significa que quando Deus chama o homem, ele não pode resistir à mensagem. Ele aceitará a verdade, ou seja, a graça de Deus, sem condições de recusá-la.

Perseverança dos santos – significa que a pessoa salva não pode perder a salvação. Ele permanecerá na graça de Deus, independente de suas ações e atitudes. A rejeição do Evangelho e impassivelmente o eleito, depois dele ter sido verdadeiramente salvo.

2. Predestinação Restrita (Jacó Armínio)
Desenvolvida pelo holandês Jacobus Arminius é “a predestinação ou a eleição” mais ocasionado por parte do livro arbítrio humano, do que ocasionado pela soberana Vontade de Deus.

O Arminismo diz que a pessoa primeiramente tem que buscar a Deus. Quando a pessoa abre o coração para Deus, Ele se aproxima dessa pessoa. Neste caso a pessoa toma a iniciativa e Deus a responde.
Esta doutrina também ensina que é possível perder a salvação, ou cair da graça pela sua própria vontade.

3. Predestinação Condicional (Sistematizada por Paulo e aceita pela maioria dos cristãos)
Ensinada pelo Apóstolo Paulo e pelos Pais da igreja e posteriormente sistematizada por Martinho Lutero e seus seguidores.
Esta predestinação, segundo a promessa divina, é vista englobando a Igreja como um todo.

Ensina que, na salvação humana, existe uma espécie de “cooperação mútua” tanto por parte de Deus (o doador) como por parte do homem. “Chegai-vos a Deus, e Ele se achegará a vós”. Portanto,os dois, cooperam para tal fim (Tg 4:8).

A doutrina da predestinação negativamente analisada, mostrará que é uma manipulação por parte de Deus a escolha do homem. Isto o rebaixaria à posição de um fantoche, sem poder de escolha nem vontade. A predestinação nunca predetermina a escolha do homem, mas sim, preordena as escolhas de Deus no que concerne ao seu relacionamento com as inclinações, necessidades e escolhas dos homens. Sobretudo de todas as possibilidades futuras, bem como os corações dos homens, Deus fez um plano de seus atos: atos estes que resultarão em maior glória para Deus, na Salvação de maior número de pecadores, e que contribuirão com o desenvolvimento da mais perfeita obediência de seus servos (Rm 8:28-30).

A fim de entender a predestinação, é necessário distinguir predestinação e fatalismo. Fatalismo é uma crença herética que atribui as ações e escolhas do homem ao “determinismo de Deus”. Ou melhor, Deus decide o que o homem será e fará.

Mediante o planejamento predeterminado por Deus (a predestinação), a Salvação é oferecida a todas as pessoas e é possível a todos quantos buscam a Deus. Por causa desta provisão, nenhuma pessoa poderá, em qualquer tempo, acusar a Deus de não lhe ter dado oportunidade para crer e salvar (Rm 1:18-21).

Deus não apenas planeja uma maneira de todos os povos conhecerem a salvação, como também tem um plano para ajudar os crentes a progredirem na sua vida espiritual. “Também os predestinou para serem conforme a imagem de seu Filho. Este plano, no entanto, depende da disposição do crente de corresponder em obediência a Deus (Rm 8:29; Jr 15:19).

Deus nos predestinou para Ele, para a adoração de filhos, por meio de Jesus Cristo. Fomos predestinados a fim de sermos para louvor da sua glória, nós os que de antemão esperamos em Cristo (Ef 1:3-14).

O chamamento
Deus jamais força alguém para aceitá-lo, mas certamente convida a todos os homens e receberem a salvação. Para isto Deus dispõe de sua graça e do poder do Espírito Santo. Os atos de graça, mediante os quais Deus concede e salvação e ajuda o homem a alcança-la, são conhecidas como “chamamento de Deus” (Rm 8:28).

O chamamento de Deus para a salvação, é tanto universal quanto irresistível.

Há três argumentos nas Escrituras quanto ao chamamento universal de Deus aos homens para salvação, são eles:
1. Deus deseja que todos os homens sejam salvos mas não abriga o homem a aceitar a salvação, quer o homem queira ou não (2 Pe 3:9).

2. Os crentes são conclamados a “proclamar” o evangelho ao mundo inteiro e a “persuadir” os homens a aceitá-los (Mc 16:15; Mt 28:19; 2 Co 5:11).

3. A natureza universal do chamamento de Deus é revelado na Escritura. Lendo passagem como Jo 3:16; Js 55:1 e Mt 11:28, notamos que o convite para a salvação não é seletivo, mas sim coletivo, para todos quantos o atenderem.

Embora o chamamento de Deus seja dirigido a todos, ele pode ser rejeitado (Jô 5:33-40; At 7:51; Rm 10:21). O fato do chamado de Deus ser universal não faz da salvação um fato incondicionalmente universal. Assim como a redenção através de Cristo é suficiente para todos, mas eficientemente para o que crê, assim também o chamado de Deus é válido para o mundo inteiro, mas aplicável unicamente àqueles que o atendem.

A salvação como experiência prática, só é possível com a nossa cooperação (Fp 2:12-13).

Deixe seu comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s